Quebra da safra agrícola ficou entre 80% e 90% na Região dos Inhamuns

Publicado em: 10/08/2017 19:38:40
Tag(s): Relatório, Perda, Safra, Região, Inhamuns.
Categoria:
Clique para Ampliar

2017 foi mais um ano de grandes dificuldades para os agricultores da Região dos Inhamuns devido a seca. Levantamentos feitos pelo Escritório Regional da Ematerce, sediado em Tauá, em parceria com as unidades instaladas nos outros municípios, identificaram que a perda de safra na Região dos Inhamuns ficou entre 80% e 90%.

As informações foram repassadas ao Blog do Wilrismar pelo Gerente Regional da Ematerce, Renato Carvalho. A reportagem vem sendo procurada por agricultores dos municípios de Tauá, Parambu, Quiterianópolis, Arneiroz e Aiuaba, que buscam notícias sobre a liberação do pagamento do Garantia Safra 2016/2017.

O técnico da Ematerce informou que os relatórios já foram encaminhados para os Governos, Estadual e Federal. "Agora falta o MDA divulgar quando irá pagar o benefício", afirmou Renato, acrescentando que os 5 municípios da região estão incluídos, segundo o levantamento da perda de safra.

Pagamento também depende das prefeituras

A liberação do pagamento do Programa Garantia Safra, que é de R$ 850,00, divididos em 5 parcelas de R$ 170,00, depende também da contrapartida das prefeituras. O benefício é composto pela adesão do agricultor que paga um boleto na Casa Lotérica, depois as prefeituras, em seguida os governos, estadual e federal.

No município onde o prefeito não pagar o valor correspondente ao número de cadastrados, os agricultores não recebem o Garantia Safra.

Em 2016, o Governo Federal começou a pagar o Garantia Safra no mês de agosto, no entanto, o Blog ainda não conseguiu informações sobre previsão de pagamento esse ano.

Falhas no programa

Os agricultores dos municípios de Parambu e Quiterianópolis não receberam o Garantia Safra 2015/2016, porque o MDA está se baseou na média pluviométrica e de produção dos últimos dez anos para justificar a decisão. No entanto, a perda de safra nos dois municípios foi de 70%.

Até hoje está sendo travada uma luta para liberar o benefício.