Candidatos filhos dos Inhamuns ficaram como suplentes de deputados

Publicado em: 12/10/2018 07:40:36
Tag(s): Candidatos, Suplentes, Região dos Inhamuns.
Categoria:
Clique para Ampliar

O Deputado Odorico Monteiro, PSB, ficou na segunda suplência da Coligação PDT/PSB/DEM/PRP/PPL/PTB nas eleições do último domingo, 07.

Filho do município de Arneiroz, com vasta experiência como Secretário de Saúde de Icapuí, Quixadá, Sobral e Fortaleza, além de cargos ocupados no Ministério da Saúde, nas gestões do Partido dos Trabalhadores, ele obteve 77.308 votos, ficando atrás do Deputado Anibal Gomes, que também não conseguiu se reeleger.

Por meio de nota, o parlamentar agradeceu a votação recebida e disse que "continuará trabalhando para honrar a cada um de vocês que acreditaram nas propostas do nosso Mandato". Popular. 

Outro Deputado Federal que não conseguiu se reeleger foi Antonio Balhman, PDT, que ficou na quinta suplência com 39.888 votos.

PSDB

Entre os tucanos, somente Roberto Pessoa, recém-filiado, conseguiu se eleger com 102.470 votos. Os Deputados Federais, Danilo Forte e Raimundo Gomes de Matos, que obtiveram 55.910 e 44.176 votos, respectivamente, ficam como segundo e terceiro suplentes do partido.

Outros

Já os federais, Gorete Pereira(PR) e Chico Lopes(PC do B), que estavam na mesma coligação, também não se reelegeram. Eles ficaram como primeiro e segundo suplentes, com 62.946 e 56.059 votos, respectivamente.

PSOL

O advogado tauaense Dr. Edmilson Barbosa, PSOL, ficou em sétimo lugar no Estado para Dep. Federal com 2.363 votos.

Outro tauaense, Dr. Leitão, PPS, que disputou vaga na Assembleia Legislativa, ficou na terceira suplência da Coligação PPS/PRTB/PPL, com 20.431 votos.

Domingos Filho

O ex-vice-governador do Ceará, Domingos Filho, PSD, mesmo tendo desistido da disputa após ter sido impugnado pelo TRE, ainda obteve 2.118 votos. A esposa dele, Patrícia Aguiar, que assumiu a candidatura 20 dias antes do pleito, foi a mais votada da Região dos Inhamuns com 20.951 votos. No Estado, ela obteve 60.270 votos.

Com a decisão do TRE, Domingos Filho recorreu ao TSE para fomentar a discussão sobre a possibilidade de integrantes de tribunais que estejam em disponibilidade e sem chances de assumir a função, poderem se candidatar. Ele quer saber qual é o entendimento do Tribunal Superior Eleitoral.